.comment-link {margin-left:.6em;} <$BlogRSDUrl$>
_

_ sexta-feira, setembro 30, 2005 _


Destroy everything you touch
today
(Destroy me this way )
Anything that may desert you
So it cannot hurt you


vs.

Excuse me
But I just have to
Explode

João | 11:29 | 9 comments

_ quinta-feira, setembro 29, 2005 _



Ridicule é um filme sobre o domínio da linguagem e o domínio do espírito (dos outros).
João | 11:51 | 4 comments

_ terça-feira, setembro 27, 2005 _



hoje acordei assim. gostava de subir para cima da mesa e gritar emoootion emoootion emoootion, talvez alguém comece a chorar.
João | 15:45 | 12 comments

_ sábado, setembro 24, 2005 _



Querida Kate Moss,
já sei que a H&M rescindiu contrato contigo. acho isso nojento. tornaste-te um bom exemplo desde que apareceste a cantar em roupa interior num videoclip dos Primal Scream. mas, Kate, eu hoje comprei uma camisa e um cinto na H&M. desculpa, não era esta a mensagem que eu queria passar às pessoas que te despediram. é que a roupa é tão barata.

beijinhos do teu,
João.
João | 17:29 | 4 comments

_ quinta-feira, setembro 22, 2005 _


dizem-me que o Verão acaba hoje.

João | 18:02 | 6 comments

síntese: eu não sei gerir expectativas.

João | 14:37 | 5 comments

_ terça-feira, setembro 20, 2005 _


este fim-de-semana consegui conformar-me com a minha rotina, porque fui às compras. comprar coisas reconcilia-me com tudo. as lojas de roupa salvam-nos do perigoso caminho do auto-conhecimento, não penso que sirvam para outra coisa.


a boa notícia é que o tweed voltou a estar na moda.
João | 11:32 | 4 comments

1.
a reportagem que o jornal da SIC fez sobre a manifestação do PNR foi interessante do ponto de vista formal.
a jornalista nunca aparecia nas interpelações directas aos manifestantes. no enquadramento, apenas um microfone, e um grande plano da cara do entrevistado. as perguntas saíam rápidas e eram sempre do tipo “onde baseia a sua opinião?”, seguidas de um ar hesitante e confuso do entrevistado, e da resposta “está provado que é assim”. pedia-se depois o nome do estudo, o entrevistado não sabia dizer o nome do estudo. este padrão repetiu-se por três ou quatro entrevistas, com excepção de um senhor que muito airosamente precisou a fonte - “o Google”.
a inexistência física da jornalista reforçava a impressão de tratar-se de um confronto entre o próprio canal SIC e os manifestantes, e as entrevistas, intercaladas com os planos gerais da manifestação, surgiam para os entrevistados fazerem cara de parvos. o PNR quer manipular, mas não há ninguém com mais experiência de manipulação do que uma televisão.
só por acaso a posição da SIC é a posição certa, e aqui o acaso é a possibilidade dos lucros publicitários, que por acaso financiam o programa “Esquadrão G” e a própria televisão. o PNR repugna-me, e fiquei contente com a humilhação, mas também achei interessante este confronto entre duas forças de manipulação.

2.
na peça, alguém surgiu a proferir as palavras “maricas” e “paneleiro”. tenho opiniões contraditórias em relação ao futuro destas palavras. se por um lado a conservação do seu peso negativo permite às pessoas marcarem uma posição inequívoca, por outro, não me importava nada que se banalizassem de modo a que fosse possível dizer que "paneleiro" e "maricas" não são insultos.

3.
sobre o suposto móbil desta manifestação, o programa “Esquadrão G”, não tenho deixado de ficar admirado pela opinião violenta de pessoas como a Fernanda Câncio ou o Miguel Vale de Almeida. aceito o argumento de que se trata de tele-lixo baseado em estereótipos, mas não deixo de ficar admirado com a indignação. afinal, qual é a novidade em desvalorizar um programa de televisão? o Miguel Vale de Almeida e a Fernanda Câncio têm visto televisão nos últimos cinco anos?

João | 10:24 | 1 comments

_ segunda-feira, setembro 19, 2005 _


groove is in da heart #2

alguém devia sugerir um nome para as pessoas que perdem tempo a fazer playlists em computadores pessoais. a cena já existe, só falta o nome. não se trata de alinhar músicas a partir de discos, mas a partir de ficheiros mp3 e wma, e também não há grande trabalho criativo, é só pôr uma música a seguir à outra. portanto DJ parece-me abusivo, até porque estas playlists fazem-se para consumo caseiro. que tal HFJ (Home File Jockey)? ou AC (Anonymous Compilator)? ou DYA (Dance Yourself Alone)?
é preciso criar um movimento. esta sub-cultura anda a ser desaproveitada.

seja como for, tenho dedicado algum tempo a esta arte. tenho poucas regras. só exijo uma base sonora mais ou menos comum e dois ou três conceitos presentes durante toda a playlist. quinze faixas depois, faço uma capa, gravo em CD, e arrumo na estante para a vida toda. bonitinho. tenho ouvido mais vezes estas compilações caseiras do que os álbuns “tradicionais”.

geralmente ponho-me fazer isto ao domingo, depois das Desperate Housewives (há qualquer coisa naquela série que me deixa inspirado). a de ontem foi baptizada por with somebody who loves me - um excerto da letra “I wanna dance with somebody”.
a capa tripartida foi uma coisa que aconteceu quando tentava tirar fotografias ao gato rente ao chão. foi um acidente, i'm no Cindy Sherman. parece que uma segunda pessoa me está a tentar levantar do chão, mas o braço é meu. sou só eu. a revolução e a contra-revolução. o título está estrategicamente colocado em cima do cotão que rebolava no soalho. obviamente, assim que me levantei, vesti o meu fato de carochinha e fui varrer a casa.



01 – Kate Bush                              – Hounds of love
02 – Beyonce vs M83                      – Unrecorded love (mash)
03 – M83                                      – Run into flowers
04 – Siouxsie and The Banshees      – The ghost in you
05 – Vitalic                                   – Wood-boss
06 – Pet Shop Boys                        – Heart
07 – Herois do Mar                         – Amor
08 – M83                                       – Car chase terror!
09 – Schneider Tm                         – Reality check
10 – OMD                                      – Souvenir
11 – Whitney Houston                    – I wanna dance with somebody
12 – Kings of Convenience              – I’d rather dance with you
13 – To Rococo Rot                        – Die dinge des lebens
14 – Whitney Houston vs Kraftwerk – I wanna dance with somebody (mash)
15 – The Futureheads                     - Hounds of love

João | 11:19 | 7 comments

_ sexta-feira, setembro 16, 2005 _


Romeiro, Romeiro, quem és tu?

abri ontem o perfil de um travesti chamado Samantha para saber o que estava preenchido no campo "Estilo". era Alternativo. eu no meu tenho Informal.
encontro algum paralelismo com a vida daquela pessoa que foi a uma biblioteca procurar uma tradução inglesa do "Frei Luís de Sousa". a curiosidade neste caso era se, quando a personagem Romeiro aponta para o retrato de D. João de Portugal e diz “Ninguém!”, isso é traduzido em "No one!" ou "Nobody!".

sempre achei que esta punch line ficava melhor com três pontos de exclamação.
Ninguém!!!
ou talvez com um smile de tristeza e desilusão.
Ninguém. :-(

João | 15:53 | 4 comments

estou a ouvir o disco da Fiona Apple na versão do Jon Brion e parece-me que isto tem potencial.

This is not about love
'Cause I am not in love
In fact I can't stop falling out
I miss that stupid ache


eu acho que percebo este refrão.

João | 15:48 | 2 comments

_ quinta-feira, setembro 15, 2005 _



o sapato do elefante

isto pode parecer mórbido, mas tenho saudades de ficar de cama num dia chuvoso. as noites já estão mais frias, hoje acordei enroscado. logo à noite acrescento a manta amarela comprada em saldo. esta manta (na verdade é uma mantinha) é o meu objecto doméstico preferido. sou um rapaz simples.

João | 14:57 | 6 comments

pus-me a fazer uma lista dos handicaps que com algum engenho lá vou dissimulando. cá vão alguns:

- escrever palavras que incluam simultaneamente a letra 'c' e 's'. "preciso", "necessário", etc. tenho de parar tudo e pensar bem antes de escrever;
- escrever os séculos em numeração romana. eu sei que a regra é retirar uma unidade, mas sem cálculos tortuosos pelo meio não consigo decidir se estou no século XIX, XX ou XXI. depois de aplicar a regra ainda fico com dúvidas;
- saber as prioridades na estrada. tenho de olhar para a cara dos outros condutores para perceber se estão à espera que eu pare ou avance;
- saber onde é a esquerda e a direita (hélas!). tenho de olhar para os meus pulsos para saber que escrevo com a mão direita (foi a professora primária que me ensinou);
- saber onde é o Oeste e o Este. tenho de visualizar Portugal e saber que Oeste fica do lado do Oceano, e Este fica do lado da Espanha, e depois retirar o Oceano, Portugal e a Espanha e substituí-los pelo espaço onde me quero orientar;
- fazer um atlas mental. o meu centro é Portugal, e vou acrescentando coisas para saber a localização de países. por exemplo, para saber onde é a França, imagino primeiro a Espanha que faz lado com Portugal e só depois chego à França que faz lado com a Espanha. agora à Noruega ou à Suiça já não chego. i'm no atlas. e alguém se lembra daquelas piadas sobre americanos estúpidos que não sabiam onde era o Iraque? eu pensava que o Iraque fazia lado com a Rússia. aliás, até aí pensava que todo o Médio Oriente era para cima, nas estepes geladas;
- discussões sobre Palestina vs Israel. sou sempre evasivo nas opiniões, porque na verdade não sei muito bem como é que o conflito começou nem percebo esta coisa de os israelitas passarem de não ter um Estado a ganhar o festival da Eurovisão em 1998 com a Dana Internacional;

reparo que o código da estrada liga com as direcções, as direcções ligam com a rosa dos ventos, a rosa dos ventos liga com o atlas, que liga com o conflito israelo-palestiniano.

ontem, uma pessoa que eu não conheço de lado nenhum chamou-me lerdo porque confundi "análises de mercado" com "marketing". mal ele sabe.

João | 10:06 | 7 comments

_ quarta-feira, setembro 14, 2005 _



anda tudo doido com a publicação do diário (remendado) do Luiz Pacheco, e eu também. interesse por um escritor singular? qual quê, nunca li nada deste maldito, só quero saber como é a vida dos outros. sexo escabroso com adolescentes em casas de banho? não me digam mais, compro já, que para estas coisas tenho alma de velha reformada - o "Preço Certo em Euros" não me chega.

dentro do género, a minha última compra foi o diário de um bailarino russo. convém explicar, não tenho especial interesse por bailado clássico do início do século XX, mas abri o livro ao acaso e fui logo calhar no dia em que o Nijinski conclui que casar foi um erro - afinal a mulher já não gostava de dançar. eu, que na altura ainda não tinha percebido que o homem era de facto um bailarino, não interpretei a mágoa no sentido literal. "oh... que bonita metáfora para o fim do amor", pensei. voltei a abrir o livro ao acaso e parei no dia em que o Nijinski se compara ao Tolstoi. O que interessa num romance não são os romances, é a verdade. esta frase ficou-me, por isso comprei o livro. foi no Indie Lisboa deste ano, no King.
o Nijinski queria ser um escritor grandioso, um industrial poderoso, um salvador dos artistas malditos e do povo em geral. acabou internado num hospital psiquiátrico em Zurique, e na última entrada do diário, antes de apanhar o comboio, confessa que tem medo.
também li há pouco tempo a auto-biografia do Gore Vidal ("Palimpsest"). foi uma desilusão. basicamente ficamos a saber que, salvo a paixoneta infantil que o assombrou toda a vida (ler "A Cidade e o Pilar"), as pessoas comuns não são dignas de memória. bah. i couldn't care less about Jackie. prefiro a esquizofrenia do Nijinski.

mais: quero fundar um movimento secreto que resgate os álbuns de família que estão à venda nas antiguidades da feira da ladra. e criar uma nova secção nas bibliotecas para estes álbuns. desta forma impede-se que a vida dos outros desapareça. "boa tarde, eu procuro a família Silva de Póvoa de Varzim, aquela com o filho Jorge que morreu no Ultramar e com o primo Carlitos que emigrou para França em 1969. veja aí no computador. há uma fotografia da Maria de Lurdes Silva em 1972 na praia de S. Martinho do Porto que eu queria rever, se faz favor".

(por agora vamos ver como foi a vida deste Luiz Pacheco)

João | 15:40 | 6 comments

há sempre um momento em que o charme entre duas pessoas quebra. é o que vem depois que é importante. 98% das minhas relações pessoais não resistem a esse depois. 1% dos sobreviventes são as relações do trabalho, para as quais não há remédio. o outro 1% pertence à sorte, acho eu. mas isto não me faz pensar nas relações que estão para vir. penso sim nas relações que resistiram e permaneceram. foi sorte.
estou a ouvir a música "Come to me" da Björk.

João | 10:06 | 2 comments

_ terça-feira, setembro 13, 2005 _


ontem preferi o Mini-Preço ao fogo da paixão. uma pessoa também tem de encher os armários.

João | 14:35 | 3 comments

groove is in da heart

01 - Sam The Kid            - "O keu kero"
02 - Nelly                      - "Hot in herre (Tiga mix)"
03 - Matthew Dear          - "And in the night"
04 - Amerie                    - "One thing"
05 - Kelis                        - "Good stuff"
06 - Junior Boys              - "Under the sun"
07 - Destinys Child          - "Bootylicious"
08 - Nelly Furtado           - "Turn off the light (Sunshine remix)"
09 - Kanye West             - "Get'em high (Ratatat remix)"
10 - Broken Social Scene - "Anthems for a seventeen year-old girl"
11 - The Juan Mclean      - "Give me every little thing"
12 - Nina Sky                 - "Move ya body"
13 - Kelis                       - "Protect my heart"
14 - Nina Simone            - "Please don't let me be misunderstood"
15 - Dani Sicilliano          - "Extra ordinary"

João | 11:49 | 0 comments

_ sexta-feira, setembro 09, 2005 _


os Mesa adquiriram hoje de manhã um estranho estatuto de omnipresência. primeiro, no artigo do Y na mesa de café. depois, no caminho para o trabalho, ouvi o single "Arrefece" três vezes: na Radar, na Antena 3, na RPL. todas estas rádios passaram a música antes da metereologia, para fazer a piada com o título. não compreendi tanta coincidência. mas agora já sei a letra de cor: a rapariga está num dilema porque tem medo da solidão e ao mesmo tempo sabe que o amor arrefece; ainda por cima é mal paga e não tem religião. adoro a música.

hoje estou com um good feeling.

tenho fases de cepticismo e fases de feelings. ontem à noite, do Marquês até à Bica, havia uma tensão inexplicável. inexplicável também a indiferença na cara das pessoas. desconfiado, pedi a opinião da S. e ela confirmou: "isto hoje está estranho".

João | 12:13 | 7 comments

acessórios de moda para Outubro: um cinto, um relógio à homem, um isqueiro metálico, um moleskine.

João | 09:07 | 1 comments

_ quinta-feira, setembro 08, 2005 _


top 3 gajos-sexy do r'n'b

1. Kanye West

o Kanye tem cara de bom rapaz, e a música por acaso é boa. o primeiro disco tem um urso triste na capa, e este pormenor não é irrelevante no universo r'n'b. no blings, no bitches, um ursinho cabisbaixo. e o Kanye não é, supostamente, homofóbico. numa entrevista recente, disse: It was kind of like a turning point when I was like, 'Yo, this is my cousin. I love him and I've been discriminating against gays'. Not just hip-hop, but America just discriminates. And I wanna just, to come on TV and just tell my rappers, just tell my friends, 'Yo, stop it'. ele é tão querido, não é? e deve ser para combater a homofobia que o novo single tem um sample do "Diamonds are forever" da Sra. D. Shirley Bassey. para mais, o Kanye fez uma intervenção pungente no especial do Katrina - eu já disse que ele tem cara de bom rapaz. tão cute... é o meu number one.

2. Justin Timberlake

eu sei que este é um all american boy e isso é irritante. eu sei que ele fez parte dos N'Sync. e ao mesmo tempo, tem cara de menina e um ar assexuado. mas há coisas que compensam, largamente, estas desvantagens. ok, ele não deve ser nenhum animal na cama (bem pode cantar o "Cry me a river"...), mas sabe dançar, e depois há aquela cara bonitinha de quem está mesmo a pedir que o esfrangalhem todo. aliás, não precisa de ser bom na cama, só precisa de se deixar atar à cama. por isso é o segundo gajo-sexy do r'n'b.

3. Pharrell Williams

o Pharrel tem olhos marotos, e é magro. às vezes quer fazer ar de mau nos videoclips, mas o máximo que consegue é ser maroto. drop it like it's hot. my milkshake brings all the boys to the yard. Yo.

João | 11:47 | 7 comments

_ quarta-feira, setembro 07, 2005 _



às vezes tenho a sensação que estou preparado para uma experiência limite. isto é, tão preparado para atacar como para fugir, rápido.

e continuo com as frases curtas.

João | 13:53 | 6 comments

_ terça-feira, setembro 06, 2005 _


o Verão e o Inverno são estações tão definitivas. estou contente por o dia ter começado com chuva.

João | 15:00 | 4 comments

será que resta alguma riqueza interior às pessoas que deitam tudo cá para fora?

João | 13:12 | 7 comments

_ sexta-feira, setembro 02, 2005 _


sobre a origem

é o amor que nasce com a necessidade ou é a necessidade que nasce com o amor? na minha primeira e última tentativa literária, em 1999, tentei responder e nunca mais escrevi. não sei porquê, acho as respostas tão parvinhas. e a própria pergunta também não é nada de especial.
a música do dia é sem dúvida o "Tainted Love" pela Gloria Jones.

João | 15:57 | 0 comments


Hoje não dou o meu voto a ninguém.

João | 10:45 | 1 comments