.comment-link {margin-left:.6em;} <$BlogRSDUrl$>
_

_ domingo, maio 14, 2006 _


há um filme do Abel Ferrara, Os viciosos, no original The adiction, onde o vampirismo não é sobrenatural. gosto muito da última cena: a vampira é uma estudante de filosofia e no dia em que acaba a tese convida o júri para uma festa; o júri aparece, quando toda a gente se está a divertir ela tranca as portas do apartamento e começa a arrancar pescoços.
o Abel Ferrara usa o vampirismo como metáfora. eu gostava de ver mais filmes sobre vampiros que não fossem do género sobrenatural, mas nos filmes que eu gostava de ver o vampirismo não serviria de metáfora para nada. apesar de matarem e precisarem de sangue humano para viver, os vampiros seriam bons de um ponto de vista moral. iriam ao cinema, fariam sexo, etc. a sua dimensão sobrenatural seria revelada apenas quando fizessem sexo. não consigo explicar melhor, acho que é uma ideia complicada, ou então uma ideia má. assumindo que a ideia é má, isto podia ser uma soap opera (a cover dos Sonic Youth para o Into the Groove da Madonna seria a música do genérico).
explico a minha ideia por imagens.









João | 21:05 |

4 Comments:

At 14/5/06 21:12, Blogger duarte said...

gosto da cover, até ponho em dúvida se não terá sido a primeira coisa que ouvi deles.

 
At 14/5/06 22:09, Blogger rita said...

os meus primeiros sonhos de teor sexual envolviam vampiros.
(eu não disse isto)

 
At 16/5/06 01:30, Blogger valentine said...

most of mine still do.

 
At 16/5/06 18:58, Blogger O Puto said...

Acho que, no fundo, todo o acto sexual é vampirismo. Nem sempre o vampiro é o vilão nem a presa é a vítima.
Tb gostei da forma como o Abel Ferrara abordou esse tema. Adorei a Lily Taylor e as referências a Nietzsche (que eu desconfio que era vampiro).

 

Enviar um comentário

<< Home