.comment-link {margin-left:.6em;} <$BlogRSDUrl$>
_

_ quarta-feira, dezembro 07, 2005 _



desprovidos de olhos desprovidos de pigmentação esses que passam uma vida inteira na total escuridão em grutas vários metros abaixo do solo ou lá muito muito no fundo do mar,

dou por mim a pisar o último degrau do saber biológico,

eu se fosse vocês tinha medo de viver aí.
João | 16:06 |

6 Comments:

At 9/12/05 02:05, Anonymous Anónimo said...

Ele está bem lá em baixo.

Filipe.

PS: Já agora, as letras teste para que este comentário seja aceite e publicado incluem a sequência "TKO", que por acaso é uma música das Le Tigre de que gosto razoavelmente (embora prefira a remistura dos Hot Chip à versão original). Para além disso, "TKO" é tb a expressão que as personagens do filme "Nosso Natal" (A. Ferrara) carimbam nos sacos de coca, quando fazem aquele trabalho de separação em doses. A minha questão é: alguém sabe o que significa "TKO"?
PS2: João, se isto for um uso abusivo da caixa de comentários do teu blog, por favor, exerce o teu direito de censura.

 
At 9/12/05 10:27, Blogger João M said...

TKO is an acronym for: Technical Knock Out; Total Knock Out; Tennessee, Kentucky, and Ohio; The Knights Of Omnipotence; Turn Key Operation.
---
TKO means a knockout declared by the referee who judges one boxer unable to continue.
---
I say my piece,
And when it’s over, you’ll be on your knees, I...
got this soul thing on the go - ho.
Read about it at your Barnes & No -bull.
Don’t you know? It’s our dance-floor!
T.K.O. Hear it on the radio.
T.K.O. Play it on the stereo.
T.K.O. Watch a live video.

 
At 9/12/05 10:29, Blogger João M said...

Uma vez estava a estacionar no Chiado, catolicamente ajudado por um arrumador, e na Radar estava a passar o 'TKO'. Não consegui estacionar à primeira, não consegui estacionar à segunda, e à terceira o arrumador desistiu de dar indicações e começou a dançar esta música (eu tinha os vidros abertos) no meio da estrada.

 
At 9/12/05 15:00, Blogger rita said...

continuo sem perceber, apesar de várias leituras atentas. os comentários do Filipe ainda me baralharam mais. humpf.

 
At 9/12/05 16:03, Blogger João M said...

que merda, eu pensava que isto era um naco de prosa poética avassalador... smile de tristeza e desilusão: :-(((((

explico então todo o raciocínio por trás disto: em criança tinha uma fobia ao escuro bastante acentuada, e se hoje é coisa ultrapassada, a ideia de haver animais que vivem onde não há luz não deixa de mexer comigo. como pessoa com tendências para auto-tortura que sou, não consigo evitar pôr-me no lugar deles, penso logo em passar o resto dos dias num sítio húmido e escuro, à mercê de todas as coisas asquerosas. tipo, um pesadelo.

portanto a ideia inicial era bastante literal e prosaica. só que entretanto editei a primeira versão do post e transformei isto em prosa poética. animais que vivem no escuro poderá então ser entendido numa perspectiva metafórica. uma das leituras seria a denúncia das pessoas que vivem em silêncio por causa da putativa hipótese de não haver ninguém interessado em ouvi-las, ou de falarem e não haver mais do que eco, o que sem dúvida é uma característica dos rapazes e raparigas que têm mais do que cinco músicas dos Smiths que é-tão-a-vida-deles e que de vez em quando se questionam sobre a vontade de continuar ou desistir.

numa auto-análise mais freudiana, diria que isto também tem um conteúdo sexual, porque uma das minha últimas fantasias antes de adormecer é fazer 'coisas' a um rapaz dentro de um carro no piso -4 de um parque de estacionamento subterrâneo. estás a ver a relação? piso -4 de um parque de estacionamento subterrâneo, lá no fundo no fundo, onde há (pouca) luz? esta talvez fosse mais difícil para os estimados leitores chegarem lá, mas o medo não deixa de ser uma coisa que também excita e estimula, e provoca um frisson que facilmente pode ser convertido em afluências de sangue, acho eu. é bem provával que este post tenha surgido a partir daí, embora claro está não seja sobre isso.

agora não sei é se este é um naco merdoso de prosa poética sobre o medo metafísico de arriscar, sobre o medo do escuro, ou sobre fazer coisas a um rapaz no piso -4 de um parque de estacionamento subterrâneo. cabe a ti decidires. espero que este rough-guide ao meu próprio post tenha ajudado.

 
At 10/12/05 18:05, Anonymous Anónimo said...

Agora parece muito lógico.

Filipe.

 

Enviar um comentário

<< Home