.comment-link {margin-left:.6em;} <$BlogRSDUrl$>
_

_ quinta-feira, abril 28, 2005 _


De 1999 a 2004:
Image hosted by Photobucket.com

De 2004 a 2005:
Image hosted by Photobucket.com

De 2005 até hoje:
Image hosted by Photobucket.com

Marisa Monte - "Eu não sou da sua rua"
Yeah Yeah Yeahs - "Maps"
João | 11:58 | 2 comments

_ quarta-feira, abril 27, 2005 _


Hoje marquei a primeira revisão para o carro.
João | 12:29 | 0 comments


Não sei nada sobre este quadro, mas enquanto durou a minha infância e pré-adolescência, ele existiu em quase todas as casas - na parede das casas da minha avó, tia, padrinho, madrinha, e mais alguns primos.
João | 10:20 | 10 comments

_ terça-feira, abril 26, 2005 _


Na sexta-feira passada fui ver "Hole in my heart", do Lukas Moodysson, à conta do Indie Lisboa. Deste realizador já tinha visto "Together", um feeling-good movie com músicas dos Abba sobre uma comuna hippie em 1975. Gostei bastante. Já de "Hole in my heart", que se filia na excelsa linhagem dos feeling-bad movies e parece mais interessada no vómito dos espectadores do que nas personagens e histórias do próprio filme, não gostei muito. Não votei porque saí antes do fim. Fui a única pessoa a sair. Acho que merecia um abraço do Lukas Moodysson.
Segui para a tasquinha do festival no Fórum Lisboa, onde o André Murraças do all of me estava a passar música. Saudações tímidas ao DJ. Boa música, mau espaço. Entrei ao som de "Naughty girl", da Beyoncé. Pelo meio, "Hot love" do Justus Khoncke, música dos 80's, e o mais belo mash que conheço, "I wanna dance with somebody (Kraftwerk vs. Whithney Houston)".
João | 11:05 | 4 comments

_ quarta-feira, abril 20, 2005 _


E a pergunta de hoje podia ser: do you like my tight sweater?
João | 23:50 | 1 comments

E a música da semana é:


"Winter in the Hamptons", Josh Rouse.
João | 17:53 | 1 comments

_ terça-feira, abril 19, 2005 _


Aproximarmo-nos daquilo que queremos ser é difícil. Aquilo que vemos mal em nós, está muito interiorizado.
Por exemplo, eu gostava de ser uma pessoa mais alegre. Só que isso é muito difícil mudar. Uma pessoa não se está sempre a lembrar que tem de ser mais alegre. É impossível. Podia pintar o cabelo de laranja para não me esquecer que preciso mudar: acordava, olhava para o espelho e via o meu cabelo pintado de laranja, e lembrava-me "tenho de ser uma pessoa mais alegre e mais positiva".

Para mim, as pessoas positivas são cada vez mais atraentes, mesmo que esse positivismo seja conseguido à custa de alguma futilidade. A minha estabilidade é muito chata.
João | 11:05 | 6 comments

_ segunda-feira, abril 18, 2005 _


encolhe os ombros
What can I do
When the bird's got to die
What can I do
When she's too weak to fly
What can I do
When she's calling my name
She's crying
Mama, Help me to live
What can I do

(Antony and the Johnsons - "What can I do")
João | 16:06 | 0 comments

_ sexta-feira, abril 15, 2005 _


Tenho tido muitos sonhos com ameaças da natureza. Ontem sonhei outra vez que estava a fugir de um tsunami, a onda é cinzenta muito escura e muito grande. Já hoje sonhei que estava numa piscina, com muitos crocodilos no perímetro da piscina. Sabia que tinha de sair, porque os crocodilos em terra não são muito ágeis, mas não conseguia porque não havia espaço para passar por entre os crocodilos, e eles não entravam na piscina, apesar de ser suposto entrarem. Também sonho muitas vezes com cães perigosos.
Não sei se estes sonhos têm um significado obscuro, mas são frequentes. Se calhar é só uma coisa de que tenho medo, e por isso sonho com isso. Mas por exemplo, quando naqueles programas da BBC wild life vejo animais carnívoros a matar animais, dou por mim a pensar como seria: a carne a rasgar e até quando é que se fica consciente, etc. Uma das coisas que mais me perturbaram foi ver um grupo de hienas a matar um elefante bébé. Como as hienas eram mais pequenas, iam mordendo o elefante (tinha-se perdido dos pais), e isto durou muito tempo. A BBC filmou esta cena com câmaras de infra-vermelhos, os olhos dos animais eram brancos.
A natureza é tão cruel! É impossível inventar uma religião onde não há moral. O sofrimento é uma coisa nojenta. Os animais carnívoros são nojentos.

João | 11:19 | 2 comments

_ quinta-feira, abril 14, 2005 _


Não se inventava já um sistema parecido com o "Publicidade aqui não" que se vê nas caixas de correio, mas para carros? Odeio a publicidade dos papelinhos, que se entrega à mão ou se prende nas escovas dos para-brisas dos carros. É lixo.
João | 13:34 | 0 comments

galang galang galang...
João | 10:27 | 4 comments

_ segunda-feira, abril 11, 2005 _


O casamento do meu melhor amigo


Viram este filme? É uma comédia romântica com a Julia Roberts e a Cameron Diaz. O enredo é simples: a Cameron Diaz vai-se casar com o melhor amigo da Julia Roberts, a Julia Roberts afinal ama o melhor amigo. Ou melhor: o filme é basicamente a Julia Roberts a querer roubar o homem da outra. Mas não consegue. Acaba solteirona, a dançar com o outro amigo, o amigo gay, na festa de casamento. Adoro este final, não se arranja melhor melhor-amigo do que um amigo-gay.

EDIT: Gosto cada vez mais da "personalidade cinematográfica" da Julia Roberts.
João | 14:12 | 3 comments

_ sexta-feira, abril 08, 2005 _


It's slippery when
Your sense of justice
Murmurs underneath
And is asking you:

How am I going to make it right?

With a palm full of stars
I throw them like dice
Repeatedly
I shake them like dice
And throw them on the table
Repeatedly
Repeatedly
Until the desired constellation appears
And I ask myself:

How am I going to make it right?
How am I going to make it right?

("Desired Constellation", Björk)
João | 18:59 | 0 comments

_ quinta-feira, abril 07, 2005 _


The Life Aquatic


Já não entrava numa sala de cinema há três semanas, mas subitamente reuniram-se as condições ideais: pressão e responsabilidades a mais no mundo exterior, calor, necessidade de catarse. Não há nada como entrar sozinho numa sala escura. Um cigarro antes, um cigarro depois.

O filme é cómico e levemente pateta, mas deixou-me melancólico. Nota máxima para os filmes que me deixam melancólico e ainda me conseguem fazer rir.
João | 17:09 | 2 comments

_ segunda-feira, abril 04, 2005 _


Verdad, no?


Cuesta mucho ser auténtica, señora, y en estas cosas no hay que ser rácana, porque una es más autentica cuanto más se parece a lo que ha soñado de si misma.
João | 14:05 | 1 comments